Mini Visita Guiada

O Hotel Britania Art Deco foi projectado em 1942 pelo arquitecto modernista Cassiano Branco. Na parede da Recepção podem ver-se desenhos do alçado, da porta e de edifícios vizinhos.

 

HALL

Os mármores do chão e das paredes, colunas, portas, etc. são da época. O portão de entrada foi executado em 1997 de acordo com o desenho de pormenor que se pode ver na parede da Recepção.

As pinturas a fresco representam Lisboa e Porto e foram parcialmente destruídas em 1975. A mesa ao centro, em mármore, é também da época. A esfera armilar foi executada em 1997 pelo escultor Charters de Almeida, substituindo uma outra em bronze que aí existia e que desapareceu. As duas portas com os “óculos” em vidro dão acesso, uma à bagageira e a outra era a porta de acesso ao restaurante hoje desaparecido. As fotografias mostram como era o Restaurante.

 

BAR

O Hotel foi inaugurado em 1944 e chamava-se Hotel do Império. Por isso, nas paredes do Bar veem-se os brasões dos territórios que na altura faziam parte do Império Português. Para além dos brasões foram pintados a fresco os “Anjos Protectores de Portugal” e “O Adamastor”, figura mítica que simboliza os perigos que os navegadores portugueses enfrentaram no tempo das Descobertas.

O chão e todo o mobiliário do Bar são originais, como se pode ver pela fotografia da actriz Carmen Sevilla, sentada num banco do Bar, em 1954, ou pela fotografia que está na Sala, onde se vêm, para além do mobiliário, as pinturas das paredes, etc.

 

SALA / BIBLIOTECA

A porta de correr e as outras duas que dão acesso à copa, as mesas e cadeiras, são originais. Os estuques e o lanternim foram refeitos de acordo com os originais que se encontravam muito estragados. Nas paredes podem ver-se fotografias da época da inauguração do hotel e dos anos 50. Nessa época a “poeta” Natália Correia era casada com Alfredo Machado, o dono do hotel.

 

BARBEARIA

O espaço da barbearia é também da época assim como alguns dos objectos que aí se encontram. Nos anos 40 e 50 os clientes passavam, em geral, largas temporadas no hotel que funcionava como uma segunda casa.

 

VITRINES

Nas vitrines estão alguns objectos que se encontravam no antigo escritório e peças do serviço de porcelana Vista Alegre com o símbolo do Hotel do Império. Também as peças do serviço de copos e os talheres tinham o “I”, símbolo do Império.

 

AS ESCADAS E OS PATAMARES

As escadas e os patamares são todos em pedra lioz, a pedra branca de Lisboa.

No primeiro patamar está uma escultura, símbolo do Hotel do Império. Inicialmente ela estava por cima da porta de entrada. Há no Bar uma fotografia onde está bem visível.

 

OS CORREDORES

O chão dos corredores e os rodapés são em mármore. No chão podem ver-se os mesmos motivos geométricos que existem no chão da Sala e do Hall.

 

OS QUARTOS

Os quartos são pequenos apartamentos. O mobiliário é original (excepto os mini bares) feito propositadamente para o Hotel do Império pela empresa Móveis Costa, do Porto. O chão é de cortiça. Feito em 1944 pela Fábrica Mundet, repete, uma vez mais, os motivos geométricos que se encontram nos corredores e no chão das casas de banho, todas elas também em mármore.

 

O 6º ANDAR

No 6º andar foi construído, em 2005, um piso recuado com 3 quartos e uma suite. Foram utilizados os mesmos materiais dos restantes quartos (mármore, madeira e cortiça) e algumas peças de mobiliário Art Déco.

 

QUARTOS TEMÁTICOS

Em cada andar haverá um quarto dedicado a um hóspede especial. Para já existem: Quarto Natália Correia (13); Quarto Vinícius de Moraes (24); Quarto Carmen Sevilha (44).

Na suite recorda-se “A Tertúlia do Britania”: o Bar do Britania era, nas décadas de 70 / 80, o ponto de encontro de muitos escritores e jornalistas cujos livros podem aqui ser lidos.